terça-feira, 6 de agosto de 2013

Amizade colegial Tentadora!



Já era 18:30hs quando sai para ir ao colégio, aquela noite estava um frio delicioso e confesso que ultimamente o que tem me agradado muito é estar com os amigos e em especial uma amiga que conheci. Linda, exuberante, sensual, irresistível, com um único problema; Não sabia que eu era lésbica e que se ela não fosse hetéro e comprometida, ah eu pegaria de um jeito.
Desde que nos tornamos amigas, sempre conversamos nos intervalos das aulas, até mesmo porque não somos da mesma sala de aula. Um dia desses ficamos altas horas no pátio, onde acabamos até esquecendo a hora e começou a ficar tarde para voltarmos pra casa, à sorte foi um amigo que estava por ali e acabou nos deixando em casa.
A Anne é uma pessoa encantadora, chama atenção por onde passa de ambos os sexos, horas causa inveja, raiva e outras desejos, digo por que canso de ver suspiros e suspiros naqueles corredores e não é o meu próprio... Kkk.

Assim que cheguei encontrei os amigos e a Anne sorrindo, que sorriso maroto e perfeito. Não, não estava apaixonada, talvez encantada. Não vamos exagerar nos sentimentos e desejos atrativos sexualmente.  Nesse dia que se tornou bem diferente de todos foi que ela não ia ter a primeira aula e eu não estava muito a fim de assistir a minha que era de matemática. Então, ficamos sentadas no pátio conversando sobre diversos assuntos, quando de uma hora pra outra ela ficou olhando em meus olhos tão fixamente que senti minhas pernas ficarem bambas, principalmente por causa da pergunta.

- Keity, posso lhe fazer uma pergunta bem intima?

- Claro que sim... _ respondi.

- Você já ficou com mulher?

- Como???? – Se já sentia as pernas bambas antes imagine naquele momento e a pulsação do coração começou a ficar acelerada. 

- Desculpe pela ousadia ou coragem, você claro que não precisa responder se não quiser, mas vou falar uma coisa pra você e espero que não fique chateada, alguns amigos andaram me falaram para ter cuidado porque estamos andando juntas demais, se vendo demais, se tornando um excesso e que acham que você ... Você sabe... 

- Que gosto de mulher? – quanto aos outros falarem não era surpresa alguma, mas decidi responder sinceramente, já que éramos amigas, não podia esconder minha preferência sexual. – Sim, gosto de mulher, não quer dizer que odeio homens, até posso ficar com um, mas atualmente mulher tem me enlouquecido mais, espero que não seja um problema pra você. E não interfira em nossa amizade... – Enquanto eu falava a vi sorrindo como se tivesse aliviada. – Porque o riso? Estou falando algo engraçado? Sem lógica pra você?

- Não. Não me importa sua opção, só gostaria de poder me sentir mais a vontade contigo, porque ficava com essa dúvida o tempo todo e... – Olhando para o relógio calou-se bruscamente.

- Que houve?
- Vamos conversar lá na quadra? Essa hora não tem ninguém lá, podemos ficar mais a vontade e fora que falar desse assunto aqui, podemos não ver, mas paredes acabam tendo ouvidos, o que acha? 

- Sem problemas. – topei e concordei com ela, também não queria que ouvisse aquele tipo de assunto nem queria que ela ficasse sendo mal vista, já que sua fama era de metida e a gostosinha que os rapazes ali queriam ficar... Rs. 

Sentamos no final do banco da quadra de esportes do colégio. Normal a maioria das lâmpadas estarem queimadas, o que acabou sendo bom porque ficamos bem mais a vontade e sentamos bem longe da visão de qualquer um que chegasse por ali para não atrapalhar nossa conversa. Como sempre sentamos lado a lado e a conversa continuou.
 A senti não somente curiosa comigo, com minha opção, com o que eu fiz ou deixei de fazer, mas senti que ela queria algo e ao saber da verdade decidiu arriscar aproximar-se mais.

- Katy se eu confessasse pra você que já faz um tempo que tenho sentido vontade de lhe beijar, você acreditaria? Ficaria com raiva? Se afastaria de mim? Ou você vai achar que nada haver que somos amigas e...

- Acharia que está louca... Kkk. E que se estiver procurando uma aventura de uma noite ou matar sua curiosidade sobre como beijar uma mulher está falando com a pessoa certa e quanto a sua loucura nunca ficaria com raiva, porque desde que nos aproximamos que eu já venho sentido isso e nunca passaria dos limites...




O rosto dela aproximava do meu e comecei a sentir um calor na minha pele. Um fogo subindo pelos poros de meu corpo.
 - Se eu quiser lhe beijar agora, você deixaria? – Ela perguntou olhando para meus lábios de um jeito que nenhuma outra mulher tinha olhado nesta vida, não conseguir resistir, não sabia o que daria aquilo, mas era o que eu mais queria e então nem respondi, pousei meus lábios em cima dos delas e a beijei de um jeito tão ardente, a puxei pra mais perto, sentando de pernas abertas onde ela pudesse ficar na minha frente enlaçando suas pernas sobre mim. Se alguém visse aquela cena ficariam loucos de tesão ou nos matariam...kkk.
Ela usava uma minissaia que deixava suas coxas torneadas e uma delícia, aquelas mãos delicadas branquinhas passando nos meus cabelos me arrepiava que estava começando a perder meu controle. 

- É melhor pararmos por aqui... – Tentei empurrar Anne ao mesmo tempo não conseguia largar ela.

- Eu não vou parar porque eu te quero muito e eu sei que você também me quer Katy... 

De repente ela se levantou, me puxando pela mão, descemos a arquibancada da quadra e fomos para trás dos bancos que era mais escuro ainda, senti seus braços me pegando de jeito e realmente fiquei em dúvidas se ela nunca tinha ficado com uma mulher.
Começamos a nos beijar, minha língua passeava em sua boca e juro que nem com um homem e outra mulher eu tinha ficado tão excitada só com os beijos, estava perdendo a noção do perigo, estávamos em local público, alguém poderia aparecer, mas parece que o desejo estava falando mais alto.
A peguei e pressionei ela na parede, desabotoando sua blusa, pude finalmente ver aqueles seios nus que tanto admirava presos naquele sutiã as vezes a amostra quando usava umas blusinhas sensuais. Meti minha boca e comecei a chupar como se estivesse com tanta sede no deserto, e minha pele tocando a dela me enlouquecia muito mais.
 A vi ficando com a respiração ofegante, enquanto segurava minha cabeça sobre seus seios, pediu para que a tocasse. Nem precisava pedir, coloquei a mão por baixo de sua saia e para minha surpresa aquela filha da mãe não usava nada por baixo, o que me fez ter certeza que ela tinha planejado aquele momento. Minha mão encontrou aquela buceta quente e molhada, deliciosamente de uma mulher safada e comecei a mexer com o grelinho dela, colocando apenas um dedinho para massagear, a vi se contorcendo tanto e me apertando que eu sabia que estava no caminho certo, enquanto a tocava, sem contar que não conseguia deixar de lamber seus seios.
Aquele gemido de mulher toda voluptuosa querendo ser fodida me deixou mais louca ainda, sem controlar mais a apertei em meus braços e senti suas mãos tocando em meus seios também, senti seu corpo colado no meu e foi tão gostoso. Sem perder tempo me ajoelhei a seus pés e coloquei a boca por baixo de sua saia, ainda segurando a calcinha de lado. Suavemente coloquei minha língua fazendo movimentos circulatórios dentro dela, sua buceta estava tão molhadinha que minha boca estava encharcada. 

Comecei a ouvir seus gemidos e quando ela falou;  - Katy, nunca fiz isso, mas cheguei a ler coisas e imaginar essa situação com você, por incrível que pareça. 

- É???? Então aproveite e curta a realização desse sonho meu bem. 

Apertei sua bunda e continuei metendo minha língua dentro daquela bucetinha úmida e quente. Colocava e tirava a língua deliciosamente e a senti puxando meus cabelos sem conseguir conter os gemidos, enfiei com mais força a língua, botei e tirei, botei e tirei... Que delícia sentir aquela mulher naquela posição pra mim e gemendo feito uma putinha tesuda em meus braços.
Levantei-me e me abraçando ela murmurou que estava a ponto de gozar que estava ficando sem controle, sem pestanejar meti de novo minha mão dentro dela e comecei a penetrar carinhosamente em gestos lentos apenas para deixar que ela ficasse com vontade de sentir muito mais dentro dela, e ao senti-la apertando meus dedos dentro dela, meti com mais voracidade e os gestos começaram a ficar mais rápidos, mais rápidos...

- Katy...Eu vou gozar....Aiiiii....aiiiiiiiiiiiiii.... – sua voz saia murmurando e o que ela não percebia era que se alguém estivesse ali seria impossível não ouvir seus gritos.

Sem piedade enfiei dois dedos dentro dela e comecei a socar, socar e jogando-a para trás encostei ela na parede de novo. Suas pernas se abriam, suas mãos arranhavam minhas costas.

- Toma safada... Toma safada... É isso que você queria me sentir dentro de você? Sentir ser comida por uma mulher. Queria saber como era trepar e ter a melhor foda de sua vida? Queria... Queria???? – Só a via concordando feito uma descontrolada.

- Me fode... Me fode Katy... 

Peguei seus seios redondinhos e branquinhos em minha boca de novo, como eu adorava chupar uns seios bem feitinhos, mulher pra mim sem seios volumosos nem adiantava chegar junto. Coloquei dentro de minha boca e mordendo o biquinho enfiei com tudo meus dedos na buceta dela, quando a vi se desiquilibrando em meus braços dizendo que não aguentava mais... Tentei deixa-la mais louca ainda.

- Eu vou gozar...Vou gozar...Ai....aiiiiiiiiiiiiiiiiiiii....Aiiiiiiiiiiii...Katy, não vou conseguir segurar..... aiiiiiiii    meu deus...meu deussssss....

- Quer gozar safada? Quer? Quer? – eu também não estava conseguindo mais segurar aquele desejo, então a penetrei num movimento frenético de via e vem, parecia um homem fudendo uma mulher num canto da parede. Duvido que alguém de longe conseguiria distinguir que ali eram duas mulheres, até mesmo porque seu cabelos compridos e morenos estavam presos e o meu estava solto. – Quer dá uma gozadinha de puta com uma lésbica quer? Quer? 


Senti suas unhas cravando nas minhas costas e suas pernas prendendo minhas mãos tremendo de um jeito foda, foi quando fodi mais, mais e mais aquela buceta. – Goza meu anjo, goza vai... Me dá esse gozo, agora você vai saber o que é ter um gozo de verdade e ser gostosamente amada e desejada por uma mulher, goza, mela meus dedinhos vai...mela...mela...mela safadinha goza...goza agora vai...gozaaaaa....

- aiiiii....AIiiiiiiiiii.... Fodaaaaaa. Fodaaaaaaaaaaaa..... Porraaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa.... Aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii..... – assim saiam seus gemidos gritantes e descontrolados.

Só senti em seguida seu corpo caindo todo mole sobre mim, a segurei carinhosamente, peguei meus dedos e coloquei em sua boca pra que ela sentisse seu próprio gozo, o quando era deliciosa.
Seus olhos me fitavam de um jeito que ainda me deixava perdida do que aconteceria após aquele momento.
Ouvi a sirene do colégio tocar e sabia que agora muitos iriam sair das salas de aula. Alguns gostavam de ir para quadra, fumar seu cigarro, conversar e então resolvi apressar ajudando-a se vestir e se recompor. Até mesmo porque vi o quanto ela estava mole, sem conseguir mal andar.
A puxei na mão e fomos sentar de novo na arquibancada, dessa vez não tão afastada de tudo, para não ficar muito suspeito, ficamos no meio e para disfarçar. Peguei um cigarro e acendi para deixar parecer conversa de amigas e mais uma vez me surpreendendo Anne tirou de seu bornal uma garrada de vinho e copos descartáveis.  Colocou para nós e começamos a beber rindo da situação louca que acabemos de viver. Sem trocar uma palavra. 
Vimos alguns amigos se aproximando da gente e ela preocupada perguntou se estava demonstrando algo;

- Não... Não está só é não levantar daí, porque suas pernas ainda tremem. – Eu confesso que me senti o máximo ver como deixei aquela mulher desejada por muito mole em minhas mãos. 

- Katy? Só pra você saber, eu trouxe o vinho para bebermos antes de algo acontecer, mas ai as coisas saíram do roteiro... – sua cara sem vergonha só comprovou minha suspeita – E sim eu não quero que pare por aqui, quero muito mais que isso se você quiser também.

- Você acha que não quero meu bem? – respondi sorrindo satisfeita. 

- Espero que sim, porque nunca pensei na vida me deixar ser fodida por uma mulher e ainda querer mais como estou aqui querendo... 

Seu riso sem vergonho me enlouqueceu de novo, paramos de conversar porque os amigos já estavam sentando ao nosso lado, quando ouvimos de um deles perguntando; porque estávamos ali tão escondidas. Sorrimos uma pra outra, mas conseguimos disfarçar ao mostrar o vinho nas mãos... KKKK. 

Espero que tenham gostado.

O que aconteceu depois desse dia? Começamos a namorar e estamos juntas até hoje, faz 02 anos.
E lembra quando eu falei que não iria exagerar sobre os sentimentos? Quer era apenas atração? Sexo? Desejo? Eu já estava apaixonada por aquela coisa, só não tinha percebido e após aquele dia não consigo mais viver sem ela. 

Bjksssss.  

Ass; Bette Potter. 

Proxima → Página inicial
Tecnologia do Blogger.